Obesidade infantil: causas, consequências e como evitar

5 minutos para ler

Problema grave de saúde pública, a obesidade infantil não apenas cria grandes chances de culminar num adulto obeso, como também traz consequências negativas para a criança desde os primeiros anos.

Apesar dos riscos, o problema não é abordado seriamente pela maioria das pessoas. A quantidade de crianças obesas já cresceu incríveis dez vezes de 1956 a 2016, e, no Brasil, esse número pode quadruplicar até 2030.

Não é brincadeira de criança: a obesidade infantil é um problema real, grave, complexo, que precisa de atenção imediata. Por isso, hoje vamos falar sobre o que realmente é essa doença, como preveni-la e combatê-la adequadamente.

Faça a sua parte em sua família e ajude outras a também abordarem esse problema de frente. Vamos lá!

O que é obesidade infantil

Caracterizada pelo excesso de gordura capaz de causar prejuízos à saúde, a obesidade normalmente é calculada pelo IMC (Índice de Massa Corpórea), conforme já mostramos aqui no blog.

No entanto, para a obesidade infantil, o cálculo é diferente: é necessário levar em conta outros fatores, como a relação entre o peso e a idade ou entre o próprio IMC e a idade. Em qualquer situação, no entanto, é sempre importante contar com a assistência de um pediatra.

Não adianta ignorar o problema ou atribuir os quilos a mais à “fase de crescimento” da criança, pois uma criança obesa tem cerca de 80% de chances de também ser um adulto obeso.

Se a obesidade adulta já é grave – estando associada a doenças cardiovasculares, respiratórias, hepáticas, renais e até câncer, entre outras – , na infância ela é ainda mais preocupante. Não apenas começa a criar ambiente favorável para diversos problemas de saúde no futuro, como também pode prejudicar o desenvolvimento do esqueleto da criança.

Além disso, é comum que crianças obesas sejam vítimas de bullying, o que pode trazer problemas no seu desenvolvimento e consequências psicológicas sérias. Muitas vezes, quadros de depressão ou ansiedade provocados pelo bullying podem levar a criança a comer mais, criando um ciclo vicioso.

Causas da obesidade infantil

A obesidade infantil pode ter várias causas, que, muitas vezes, aparecem combinadas. Sim, a genética pode ser uma das causas, como, por exemplo no caso da síndrome de Prader Willi. Trata-se de uma doença rara, que compromete o hipotálamo e pode prejudicar o metabolismo e aumentar o apetite, entre outras consequências.

Além disso, pais obesos têm cerca de 80% de chances de também terem filhos obesos. No entanto, nem sempre essas chances se devem à genética: hábitos alimentares de pais obesos, bem como seu eventual sedentarismo, podem contribuir muito para o aparecimento da obesidade nos filhos.

É o que nos leva a uma segunda causa: a associação entre alimentação inadequada e falta de atividades físicas, agravada pelo longo tempo em frente às telas, como: computadores, celulares, notebook e televisão.

Além disso, é preciso investigar outras causas, como disfunções hormonais e má qualidade do sono, que podem prejudicar a criança em vários aspectos, inclusive provocando ganho de peso. Ocorrência de bullying, ansiedade e depressão também podem estar ligadas à obesidade em crianças.

Como combater a obesidade infantil

Na hora de enfrentar a obesidade infantil, é necessário investigar todas as possíveis causas: genética e questões psicológicas, conforme dissemos, podem ser a razão do excesso de peso.

Também é preciso, desde cedo, promover a alimentação correta: é importante amamentar a criança pelo máximo de tempo, mantendo o leite materno como único alimento pelo menos durante os seis primeiros meses de vida.

Quando forem introduzidos outros alimentos na dieta da criança, é fundamental evitar alimentos adoçados. O açúcar já se provou como um dos grandes vilões da obesidade infantil. Quase 80% das crianças a partir de 6 meses de idade comem bolachas, e 20% consomem sucos artificiais.

Alimentos como esses são desnecessários para a criança e acabam, além de fornecer glicose em excesso, “viciando” o paladar dos pequenos. Criam-se, assim, hábitos alimentares errados que podem dar muito trabalho para serem revertidos.

A prática de atividades físicas deve também ser estimulada. Os pais devem limitar o tempo de tela da criança. Evitar que ela fique muito tempo no celular ou televisão é fundamental, bem como estimular brincadeiras e exercícios físicos.

Ainda é importante ter uma rotina de alimentação estabelecida e dar o exemplo em casa, proporcionando hábitos saudáveis para toda a família. Contar com o acompanhamento de um pediatra e seguir suas orientações também é essencial.

Tratar a obesidade com quem entende

Para tratar a obesidade, inclusive infantil, conte conosco! A Clínica da Obesidade tem dez anos de experiência no tratamento da obesidade severa sem cirurgia. Contamos com uma equipe de mais de 70 profissionais de saúde, todos focados em proporcionar emagrecimento saudável e qualidade de vida aos nossos pacientes.

A Clínica também é o lugar certo para crianças com obesidade. Aqui, você pode acompanhar de perto a jornada do seu filho(a) rumo a um futuro saudável. Clique no banner abaixo e agende hoje uma avaliação conosco!

Posts relacionados

Deixe um comentário