A relação entre obesidade e colesterol

6 minutos para ler

Obesidade e colesterol alto são duas condições extremamente graves (e potencialmente mortais) para a saúde de qualquer pessoa. Embora possam aparecer separadas, é comum que estejam reunidas, o que piora ainda mais o cenário de perigo.

A relação entre obesidade e colesterol não apenas existe, como é bastante próxima: uma condição pode ser consequência da outra, e, quando reunidas, elas têm um potencial destrutivo de grandes proporções.

Hoje, na semana em que se celebra o Dia Nacional de Combate ao Colesterol, 08 de agosto, vamos entender melhor esses dois vilões da saúde e como a relação entre obesidade e colesterol funciona. Vamos lá!

Colesterol: necessário, mas perigoso

Embora o colesterol seja considerado um dos principais vilões da saúde, ele é necessário para o corpo. Trata-se de um conjunto de gorduras essencial para que o corpo desenvolva uma série de atividades.

Produção de determinados hormônios, fabricação da bile, estruturação da membrana das células… várias tarefas do organismo dependem do colesterol, que, assim, torna-se essencial para o corpo humano.

No entanto, o excesso de colesterol no sangue (a chamada dislipidemia) não apenas é grave: também é mortal, além de ser silencioso, não apresentando sintomas em suas fases iniciais. Para entender melhor: existe o “colesterol bom” (HDL) e o “colesterol ruim” (LDL), com efeitos diferentes.

Enquanto o HDL tira o excesso de colesterol da circulação, levando-o ao fígado, o LDL faz justamente o contrário: facilita o acúmulo de gorduras nas artérias, provocando seu estreitamento e acarretando uma série de consequências.

Níveis de colesterol total e LDL muito altos aumentam seriamente os riscos de aterosclerose coronariana, infarto e derrame, causas importantes de mortalidade em todo o mundo. Alguns tipos de dislipidemia podem também causar pancreatite aguda.

É necessário, portanto, monitorar constantemente os níveis de colesterol, principalmente se houver outros fatores de risco cardiovascular. Um médico poderá ajudar o paciente a identificar esses riscos e estabelecer uma meta personalizada para os índices de colesterol.

Obesidade e colesterol: uma relação de risco

Como reiteramos sempre aqui no blog, a obesidade, por si só, é uma doença grave, que pode acarretar dezenas de males à saúde — e um deles é justamente é o colesterol alto.

A dislipidemia não é exclusividade de pessoas obesas e pode ocorrer mediante fatores genéticos ou muitos outros, como tabagismo, sedentarismo, uso de anabolizantes ou certos medicamentos, excesso de alimentos ultraprocessados ou de bebida alcoólica.

No entanto, o colesterol alto é bastante comum entre pessoas com obesidade, sendo ele uma das principais e mais perigosas consequências do excesso de peso. Além da relação entre a alta quantidade de gordura corporal do obeso e a dislipidemia, a pessoa com obesidade, muitas vezes, apresenta comportamentos favoráveis ao acúmulo de colesterol, como o sedentarismo e o consumo elevado de alimentos com gorduras saturadas ou trans.

Por fim, a obesidade ainda tem influência significativa no metabolismo das gorduras, facilitando ainda mais a elevação dos índices de colesterol.

A conclusão, portanto, é clara: a obesidade pode provocar ou agravar muito o problema do colesterol, trazendo suas piores consequências. Além disso, a obesidade é potencial causadora de dezenas de outras doenças, como diabetes, hipertensão, problemas respiratórios e pelo menos treze tipos de câncer.

Assim, a relação entre obesidade e colesterol alto é tão próxima quanto perigosa, acendendo o alerta em quem tem ambos os problemas. Vamos agora entender como evitar e tratar esses males!

Combatendo o colesterol alto e a obesidade

Obesidade e dislipidemia são problemas que precisam ser prevenidos com máxima atenção. Um estilo de vida saudável e ativo, com prática regular de atividades físicas e sem tabagismo, alimentação balanceada e uso moderado do álcool são muito importantes na prevenção de ambos os problemas.

A alimentação, por exemplo, tem relação com obesidade e colesterol. Frituras, alimentos adoçados artificialmente, gordurosos ou ultraprocessados (biscoitos recheados e salgadinhos, por exemplo) contribuem tanto para o ganho de peso quanto para o acúmulo de colesterol nas artérias.

Por outro lado, o consumo de fibras, frutas, cereais, linhaça, castanhas e azeite de oliva, por exemplo, estimula o “colesterol bom” (HDL), positivo para a saúde.

Atividades físicas também são importantes. Pelo menos 150 minutos de atividade física de intensidade moderada semanalmente são fundamentais para evitar o estado de sedentarismo e prevenir obesidade e dislipidemia.

Para evitar o ganho de peso, o ideal é que sejam exercícios de musculação; para tratar do colesterol, são mais importantes os exercícios aeróbicos, que proporcionam o aumento da captação de oxigênio pelo organismo.

No entanto, vale lembrar que os exercícios físicos ajudam a aumentar o nível do “colesterol bom”, mas não reduzem os índices do “colesterol ruim”. Na verdade, para isso, até mesmo a alimentação pode não ser suficiente, principalmente em quem tem doenças cardiovasculares; em alguns casos, o uso de medicamentos é necessário.

O importante é ficar sempre atento à saúde e não permitir que o peso e o colesterol fujam do controle. Para se ter uma ideia dos benefícios do cuidado, a cada 40 mg/dl de “colesterol ruim” reduzido, a chance de mortalidade por infarto reduz em 20%.

O tratamento na Clínica da Obesidade

Agora que você entendeu a relação entre obesidade e colesterol, saiba que é possível tratar os dois problemas ao mesmo tempo, de forma eficaz e com quem entende do assunto!

Na Clínica da Obesidade, dispomos de estrutura completa para o tratamento da obesidade severa e suas comorbidades, incluindo o colesterol alto. Aqui, os pacientes são acompanhados 7 dias por semana por uma equipe multidisciplinar que reúne mais de 70 profissionais. Combinando alimentação balanceada, exercícios físicos direcionados e acompanhamento psicológico, a Clínica da Obesidade tem o que é necessário para transformar a sua vida. Venha conhecer o nosso tratamento!

Posts relacionados

Deixe um comentário